(Foto: Nelson Perez/FFC)

Não é novidade que o Fluminense vive um drama financeiro. Sem dinheiro, o presidente Pedro Abad tenta minimizar a insatisfação dos funcionários com medidas desesperadas. O mandatário pediu ajuda a empresários e tricolores abastados para arrecadar dinheiro através de uma “vaquinha” e pagar parte dos atrasados aos jogadores.

Esta, porém, não foi a única vez que o presidente do Fluminense tentou organizar uma “vaquinha”. Em setembro, o NETFLU informou em primeira mão que o mandatário ligou para alguns empresários e milionários tricolores propondo a ideia, mas diferentemente do caso atual, não obteve sucesso.

Preocupado com os problemas gerados pelo corte dos planos saúde, Abad queria arrecadar R$ 300 mil através das mãos de 10 a 15 “magnatas”. Para o atraso oriundo da limpeza, o mandatário buscava outros R$ 300 mil, totalizando R$ 600 mil. A ideia sugerida foi que cada um contribuísse com cerca de R$ 50 mil. Na época, o ex-dirigente do clube, Ricardo Tenório, foi uma das figuras influentes procuradas pelo presidente tricolor.

Desta vez, depois da cobrança dos jogadores no vestiário após a derrota para o Palmeiras, na última quarta-feira, em São Paulo, já arrecadou R$ 150 mil e a ideia é que o valor seja dividido após o jogo desta segunda, contra o Ceará, às 20h, no Maracanã, pela 35ª rodada do Brasileirão. Porém, o valor não é nem de perto próximo da dívida com o elenco, avaliada atualmente em R$ 11 milhões.

Entre os doadores dos R$ 150 mil já arrecadados estão apoiadores da gestão de Pedro Abad, como os vices Ronaldo Barcellos (comercial) e Daniel Kalume (jurídico), Ricardo Tenório, ex-vice de futebol do clube e integrante de um dos principais grupos da oposição, além do ex-mandatário Peter Siemsen.