Muito mais do que escolinhas oficias, o Projeto Guerreirinhos é um dos grandes diferenciais do Fluminense em seu sistema de captação de jovens jogadores. Ao contrário do que acontece na maioria dos clubes, as escolinhas oficiais não são produtos do marketing. Elas fazem parte do sistema de captação da academia de formação do clube e já vem rendendo bons frutos para a base tricolor.

– É um projeto diferente e inovador, que começou em 2011 e que já vem trazendo resultados para Xerém. Alinhamos nossas estratégias diretamente com Xerém, com o Marcelo Teixeira e com o Marcelo Veiga e está integração é fundamental. Já são mais de 30 meninos captados nas nossas escolinhas desfilando os seus talentos na base do clube e tenho certeza de que este número tende a aumentar nos próximos anos. O aluno quando se matricula nas escolinhas já sabem que estão no início do processo para se tornar um jogador profissional do Fluminense – explicou o coordenador do Projeto Guerreirinhos, André Medeiros.

O Projeto Guerreirinhos permite que escolinhas de futebol com a metodologia de treino de Xerém sejam abertas em qualquer lugar do Brasil, ou do exterior, desde que, claro, consigam preencher os requisitos para se tornar uma franquia. Já existem 52 escolas Guerreirinhos, sendo duas no exterior. O Projeto já começa a apresentar nomes conhecidos da torcida tricolor como o lateral Mascarenhas, o volante Rafael Resende e o atacante Wendew, todos destaques do Sub-20 do clube.

– Antes de qualquer franquia abrir, os professores do franquiado vão até Xerém e conhecem a nossa metodologia de treino e nossa filosofia de jogo. Após aberta, estamos sempre visitando as escolas, avaliando o trabalho e observando os atletas. No final de ano, fazemos um grande campeonato em Xerém – contou André Medeiros.