De acordo com o blog do Rodrigo Mattos, do Uol Esportes, que teve acesso ao documento de exigências do Governo do Rio para administração do Maracanã, as regras de permissão dificultam que a dupla Fla-Flu possa assumir por conta própria a gestão do estádio sem uma empresa parceira.

Além das exigências técnicas sobre engenharia e finanças, o Governo ainda proíbe qualquer tratamento preferencial para um clube. Para o Tricolor, as obrigações financeiras são inviáveis, e até mesmo para o rubro-negro, são complicadas. Apesar disso, ambos os clubes já protocolaram o interesse em assumir a administração provisória do estádio.

Segundo as regras importas pela comissão formada pelo governador Wilson Witzel e vinculada à Secretaria de Esporte e Lazer do governo do Estado, a empresa/clube que quiser assumir o estádio e o complexo, deve bancar um custo de R$ 2,1 milhões mensal. Isso inclui também o Maracanãzinho.