(Foto: Lucas Merçon - FFC)

Gabriel Teixeira entrou no Fluminense, no lugar de Kayky, aos 15 minutos do segundo tempo da vitória por 2 a 1 sobre o Independiente Santa Fe, quarta, em Armenia, pela segunda rodada do Grupo D da Libertadores. Dez minutos depois, Egídio era expulso e ele o escolhido para deixar o campo e dar lugar a Danilo Barcelos para a recomposição do sistema defensivo. Após a partida, o técnico Roger Machado explicou a opção.

De acordo com o treinador, ele entendeu que Cazares e Caio Paulista (outros que entraram na segunda etapa) tinham as características para manter a posse de bola na frente quando o Tricolor a retomasse.

– Primeiro, a gente não perder, quando retomasse essa bola na figura do Cazares, alguém para reter com um pouco da sua habilidade a bola. E segundo, também com a permanência do Caio em campo, é um jogador de velocidade, mas também de boa estatura e força para os embates físicos do final do jogo, com bola aérea, com escanteio. Essa foi a intenção: dar um pouco de controle quando a gente retomasse essa bola, se fosse o caso, mas também tendo a figura do Caio os embates físicos, a bola aérea e sua velocidade – disse.