Se de um lado o Fluminense conseguiu, nesta quarta-feira, colocar em dia as obrigações relacionados à CLT, o clube ainda tem muito o que pagar aos seus atletas e funcionários.

O NETFLU apurou que o Fluminense segue devendo férias referentes a 2019, direito de imagem, que variam de jogador para jogador, e muitos meses de depósito do Fundo de Garantia (FGTS) dos seus funcionários. O clube pagou as férias de quem as tirou em outubro e em novembro deste ano. Entretanto, bolsistas e estagiários só receberam a folha de outubro.

Nesta semana, a diretoria entrou em acordo com o grupo para esticar até março de 2021 a obrigação de encerrar a temporada em dia com os compromissos e evitar a quebra do acordo feito para a redução salarial durante o período de paralisação dos treinos e competições em virtude da pandemia do novo coronavírus.

Não existe um prazo para que esses débitos citados sejam acertados pela diretoria. O clube prioriza pagamento de CLT para evitar punições junto a FIFA e entidades trabalhistas.