Grandes dividirão R$ 3 milhões (Foto: Lucas Merçon - FFC)

A Rede Record acertou a compra dos direitos de transmissão do Campeonato Carioca de 2021 por R$ 11 milhões. Deste total, ficam apenas R$ 3 milhões para serem divididos pelos clubes, informa o blog do Rodrigo Mattos, no site Uol. O restante do valor irá para a produção dos jogos e comissões da Ferj e da empresa Sportsview. A alegação da federação é que as agremiações ganharão mais com o pay-per-view. Cerca de 80 mil pacotes foram vendidos nas operadoras e a grande aposta fica por conta das TVs próprias de cada um deles.

Sem a Globo, a empresa Sportsview, formada por ex-funcionários da própria emissora, foi a responsável por traçar o modelo para o contrato de transmissão deste ano. A Record destina R$ 6 milhões para a produção de imagens e transmissões do Carioca. A Ferj fica com um valor em torno de 10% do total, o que lhe dá pouco mais de R$ 1 milhão. Já a Sportsview leva um percentual de 8% do contrato. Em torno de R$ 900 mil.

Com isso, sobram cerca de R$ 3 milhões para os clubes. A maior parte vai para os grandes e outro pedaço fica para a premiação do Estadual. Fluminense, Flamengo, Botafogo e Vasco ficam com a maior fatia do dinheiro do PPV, tanto em suas TVs quanto nas operadoras. Até o momento, foram vendidos cerca de 82 mil pacotes nas operadoras Claro, Sky e Vivo. Com o valor de R$ 129,9 por pacote, gerando R$ 10,6 milhões de valor bruto.

Os quatro maiores dividem 60% do valor total de acordo com o tamanho de suas torcidas. Estima o blog que o Flamengo deva ficar com mais da metade deste bolo. Não há ainda números fechados relacionados aos pacotes pelas TVs por streaming dos próprios clubes, dos quais as receitas ficarão com 90% para os grandes e 10% aos de menor expressão.

No modelo de venda do Carioca ainda há a previsão de receitas por placas publicitárias e venda de naming rights do Carioca, o que não ocorreu. Se houver ganho nestes itens, a Sportsview receberá comissões. O contrato anterior com a Globo era de R$ 120 milhões por todos os direitos, incluindo PPV, TV fechada e TV aberta. O valor caía para R$ 100 milhões sem a presença do Flamengo. Fluminense, Vasco e Botafogo ficariam com R$ 18 milhões.

A Ferj alega que o contrato de TV aberta tem de ser considerado juntamente ao PPV, pois os custos da produção de televisão geram imagens para outras plataformas. A entidade está satisfeita com as cifras.

— O contrato de TV aberta faz parte de um novo plano comercial de transmissão. Ao contrário do modelo anterior em que o aporte era de um só caixa, o atual amplia as fontes e, aparentemente, dilui os valores, que, numa estimativa total, terá cifras satisfatórias. É preciso somar ainda as receitas de pay-per-view, mobile, TVs dos clubes, entre outras. O olhar micro pode dar essa sensação, mas a visão futura é o caminho dos moldes dos direitos de transmissão no Brasil.