Respeitada e muito querida no mundo do samba, Selminha Sorriso tem outro amor além da Beija-Flor. Apaixonada pelo clube das três cores que traduzem tradição, a porta-bandeira da escola de Nilópolis foi convidada para integrar o livro “O Fluminense somos todos nós”, que faz parte da Flu Fest e homenageará a torcida tricolor. Selminha participou de uma sessão  de fotos no Salão Nobre na última segunda-feira e aproveitou para conhecer seu grande ídolo, Fred.

– A Beijar-Flor é tricolor (risos). Todo mundo brinca com isso. Entraram em contato comigo me convidando para participar do livro. Achei que fosse só um depoimento declarando meu amor. Mas para  minha surpresa seriam fotos também. Fui com uma calça preta, com roupa de trabalho. Fui toda formal, achando que era só um depoimento. Mas quando falaram que teria de fazer foto, aí eu disse: “Pera aí, foto não” (risos). Não posso comprometer minha imagem, nem a do clube (risos). Falei para marcarem na outra semana que venho a caráter para conduzir, portar a bandeira do meu time. Isso é herança da porta-bandeira, né? (risos) Quando voltei ontem (segunda-feira) fiquei todo emocionada. Me deram um mastro padrão de porta-bandeira e as fotos ficaram bem legais, com confete. Depois, me perguntaram se eu queria tirar foto com o Fred. Era um sonho. Faltava oportunidade e nunca forcei a barra para isso. Sempre estou no clube e brinco com o pessoal do apoio: “E o Fred, está aí?” – contou ao NETFLU, Selminha, que fez elogios rasgados ao capitão tricolor:

–  Ele foi super gentil e além do que esperava. Educado, respeitador. Fiquei mais encantada ainda de estar perto do ídolo do meu clube e saber que ele é aquilo mesmo que a gente percebe. É dócil, educado, elegante. Fiquei muito feliz. Eu tive de respirar quando vi o Fred, né? Falei para ele: “Que bom que você ficou, você é nosso ídolo, ídolo do nosso clube”. Depois perguntei para ele se poderia fazer uma foto posada como um mestre-sala. E ele aceitou (risos).

O amor pelo Fluminense transcende qualquer ambiente ruim que possa existir. Estandarte de ouro do Carnaval carioca nos anos de 1992, 1998, 2000, 2002, 2005 e 2009, Selminha, habitualmente, participa de eventos na sede tricolor e, sempre que possível, acompanha o time do coração.

– Sempre falo bem do clube. Independentemente da gestão, eu sou clube. Vejo os jogos, brigo, posto nas minhas redes sociais sobre. Ia ao Maracanã, até Caio Martins, venho até o clube também. Esse convite foi uma surpresa e recebi com bastante humildade. Foi um presente. Segunda-feira é meu aniversário e segunda não combina muito com festa (risos). É uma alegria ter um pouquinho de mim num livro do meu clube. É felicidade demais!

selminha