Foto: Photocamera
Foto: Photocamera

O Fluminense não conseguiu vencer o limitado e desfalcado Santos neste sábado, no Maracanã. Sem dificuldades, o Peixe, que não contou com Arouca e Montillo, derrotou um time que não é nem sombra do campeão brasileiro de 2012 por 2 a 0, gols de Thiago Ribeiro e Cícero. O Tricolor não apresentou um mínimo de competitividade. Desorganizado, não tinha qualidade para agredir o adversário, nem vontade para buscar o resultado.

Vanderlei Luxemburgo, de novo, mexeu na equipe e pôs Bruno e Rhayner. A entrada do lateral-direito e do atacante não modificaram a postura do Fluminense. Apático, acéfalo e sem gana, nada fez no primeiro tempo.

Até criou boa chance com Rhayner em dividida, mas totalmente descalibrado, chutou torto, sem direção alguma. E foi só no primeiro tempo inteiro.

O Santos abriu o placar com Thiago Ribeiro em bobeada do camisa 2 tricolor, fez outro com Cícero de falta, em falha clamorosa de Diego Cavalieri, e o Fluminense não via a cor berrante da pelota.

Bolinha para o lado, para o outro. Trezentos passes errados de Anderson, outras centenas de Edinho. Eduardo perdido. Fred isolado e errando passes… Melancólico. O Fluminense parecia apostar consigo mesmo qual partida consegueria jogar pior.
Luxemburgo tentou dar mais qualidade e experiência ao Flu no segundo tempo. Tirou Willian e Eduardo para as entradas de Felipe e Wagner.

O Tricolor melhorou um pouco. Só um pouco. Criou chance de marcar, com Sobis, em cobrança de falta que bateu na trave. Fred também perdeu ótima oportunidade sozinho na área. Isolou.

Mas o que já estava ruim ficou muito pior. Fred fez o que não sabe – cobrar falta – e sentiu quando finalizou. Vanderlei já tinha feito as três mudanças, com a entrada de Marcos Júnior no lugar do inoperante Rhayner.

O Fluminense passou a jogar com 10, mesmo com seu capitão em campo. Ainda tentou o gol na base do “vamos lá”. Até que a partir da metade final do jogo, a apatia voltou e nada mais aconteceu. “Vergonha, time sem vergonha”, gritou a torcida. E vamos para a quinta disputa contra o rebaixamento.