Nenê rescindiu com o Fluminense na última terça e acertou retorno ao Vasco (Foto: Lucas Merçon - FFC)

Vice-presidente geral do Fluminense e hoje afastado das funções no futebol por divergências com o presidente Mário Bittencourt, Celso Barros foi um dos principais responsáveis pela chegada de Nenê ao clube em 2019, indo, inclusive, contra opiniões de Fernando Diniz e Paulo Angioni. É o que noticia o site Uol. Na última terça-feira, o jogador rescindiu com o Tricolor e acertou seu retorno ao Vasco.

Técnico tricolor na ocasião, Fernando Diniz havia defendido a contratação do experiente meia no início do ano, mas quando ele chegou, em julho daquele ano, ainda de acordo com o portal Uol, já não via mais necessidade. O Fluminense já contava com Ganso no elenco, que também foi pedido pelo treinador. O camisa 10 era seu titular incontestável. Paulo Angioni, diretor de futebol, também não era entusiasta.

Nenê defendia o São Paulo à época e chegou a negociar com o Fluminense no começo de 2019, sem acerto. Ele bateu o pé para defender o Tricolor e chegou a tratar diretamente com Celso Barros.

Então, na ocasião, a contratação de Nenê foi uma queda de braço vencida pelo vice-presidente geral.

Recentemente, quando o ex-camisa 77 tricolor completou 40 anos, Celso Barros postou uma mensagem o parabenizando no Instagram e falou sobre o fato de ter sido um dos responsáveis pela chegada, mesmo com resistência interna. Veja: