Traves tentam, mas não impedem goleada e classificação do Flu

Traves tentam, mas não impedem goleada e classificação do Flu

Fluzão jogou bem e está na final da Taça Rio

Leandro Dias

Bem que as traves tentaram, mas não foram empecilho para vitória e classificação do Fluminense à decisão da Taça Rio. A bola explodiu três vezes na baliza do Volta Redonda – duas na do Tricolor -, mas o time de Abel Braga venceu e convenceu. Rafael Sobis, duas vezes, Wellington Nem e Thiago Neves marcaram na goleada por 4 a 1. Zé Augusto descontou para a equipe da cidade do aço.

 

A partida começou a 100 por hora. Muita transpiração sem faltar inspiração. Logo aos 10 minutos, Rhayner começou linda jogada ao achar Jean no meio. Não menos inteligente, o volante passou para Rafael Sobis, que, dentro da área, fez o que sabe. Finta, conclusão precisa e gol.

 

A torcida tricolor ainda comemorava, quando Wellington Nem teve nos pés a chance de colocar o Fluminense muito perto da final.  Dominou mal a bola na pequena área, tentou cavar pênalti e a zaga do Volta Redonda afastou.

 

A oportunidade desperdiçada não foi perdoada. Em falhas de Edinho e Diego Cavalieri, Zé Augusto fuzilou para o empatar o jogo, que, até então, estava fácil para o Fluminense.

 

Por pouco o gol de desempate não saiu em um foguete de Rafael Sobis que explodiu no travessão. O Volta Redonda não se intimidou. Criou oportunidades, fez a zaga tricolor ralar, trazendo instabilidade ao Flu, que dominava a partida.

 

Quando tudo parecia que iria se complicar,  Carlinhos, o melhor do primeiro tempo, roubou a bola e assistiu Nem, que só empurrou para o gol: 2 a 1.

 

A trave do Volta Redonda explodiu mais duas vezes, com o camisa 6 tricolor e Rhayner, em boa jogada do lateral-esquerdo. Àquela altura, o 2 a 1 não traduzia o que o Fluminense fazia.

 

Vilã no primeiro tempo, a trave não impediu a vitória grená, verde e branca.  Rhayner, que não perde mais a posição, iniciou a jogada do terceiro gol. A bola passou por Wellington Nem e procurou Sobis. Dentro da área, com o camisa 23, é gol do Fluminense.

 

A partir daí, o duelo ficou aberto. O Fluminense criou e perdeu inúmeras chances, principalmente com Wellington Nem, o Volta Redonda algumas…A trave? Reapareceu, claro, mas no lado tricolor, com Frontini.

 

Mas faltou a pintura. Thiago Neves voltou, entrou na vaga de Wellington Nem e abusou. De cobertura, fez lindo gol, o quarto, decretando a convincente vitória.