Diogo Bueno diz que diretoria avisou sobre situação aos órgãos governamentais

Sem dinheiro em caixa, o Fluminense, além de alguns patrocínios pontuais, também apostou em permutas neste ano. Prática essa defendida por Diogo Bueno. O vice de finanças vê com importância a economia feita pelo clube com parcerias nas quais deixou de gastar.

– Tem uma parte que é receita. Entra dinheiro, sim. Outra é permuta. Mas como? Isso teria um custo, mas eu tiro esse custo do meu orçamento. Eu deixei de pagar, então, entrou dinheiro. Se eu deixo de pagar, eu deixo dinheiro no clube. As permutas são custos que o Fluminense incorreria e deixa de incorrer – disse, usando também o CT como exemplo:

– Nós temos a necessidade de investir R$ 13 milhões para terminar as obras. Se uma companhia quiser investir lá, vamos colocar a propriedade lá. Ou com receita ou com permuta.