O presidente do Fluminense, Pedro Abad, fez uma visita ao STK Flu Samorin na Eslováquia no fim de semana passado e gostou do que viu. Ainda assim, o projeto corre sério risco de ser encerrado. Em meio a essa indefinição, o clube estabeleceu um prazo para resolver se o Flu Samorin continua ou não na próxima temporada: até 4 de maio.

Foi a segunda vez que Abad visitou o projeto – a primeira tinha sido em maio do ano passado. Desde então, houve evolução estrutural. O presidente sempre gostou do Flu Samorin, mas a pressão para encerrá-lo está sendo muito grande, por conta da difícil situação de caixa vivida pelo Tricolor.


Enquanto isso, o Flu Samorin busca patrocínios para reduzir os custos do Rio de Janeiro. O diretor esportivo da filial, Marco Manso, tem se reunido com empresas eslovacas para conseguir parceiros. O projeto custa cerca de 60 mil euros por mês (R$ 251 mil, na cotação atual) ao Tricolor, e a ideia é simples: quanto maior for a redução, melhor. O sucesso nessas negociações pode selar de vez a continuidade do Fluminense Samorin.