JÚLIO CÉSAR – NOTA 6,5

– Apesar de algumas defesas esquisitas, impediu, pelo menos, dois gols do Botafogo.

LUIZ FERNANDO – NOTA 5,0

– Sem trejeito nenhum para lateral-direito, fez uma partida honesta. Não comprometeu e ainda tentou, como pôde, auxiliar no apoio.

FRAZAN – NOTA 1,0

– Péssima estreia na temporada. Falhou diretamente em dois dos três gols do Botafogo e mostrou insegurança com a bola nos pés.

REGINALDO – NOTA 5,5

– Seguro. Teve trabalho com Sassá, mas não vacilou.

MARQUINHOS CALAZANS – NOTA 5,5

– Alternou bons e maus momentos. Driblou, correu, passou. Mas assim como o titular da posição, cruzou muito mal, sempre rasteiro ou à meia altura, facilitando para a zaga.

OREJUELA – NOTA 5,5

– Atuação regular. Bem na marcação e correto na distribuição dos passes.

DOUGLAS – NOTA 5,0

– Com Wendel na cola, teve uma exibição discreta. Muitos toques horizontais.

*SORNOZA – NOTA 5,5

– Criativo, municiou algumas boas jogadas e quase auxiliou para o Flu marcar o segundo gol.

MARQUINHO – NOTA 4,0

– Não comprometeu, mas faz o de sempre. Toques de lado, pouca participação ofensiva e defensiva. Nem naquela que era sua principal característica, as finalizações de fora da área e cobranças de falta, consegue ser eficiente.

LUCAS FERNANDES – NOTA 5,5

– Foi um dos mais produtivos no primeiro tempo, mas falhou no fundamento principal, o passe, o último, que define um lance.

*RICHARLISON – NOTA 6,0

– Fominha em algumas jogadas, mas, mesmo assim, deu trabalho à zaga alvinegra. Sofreu o pênalti e converteu.

 

MARCOS JÚNIOR – NOTA 3,0

– Outro que “penteou” a bola, mas não consegue desenvolver seu jogo quando é escalado de início.

*OSVALDO – NOTA 3,0

– Nada de útil. Cisco muito e nada criou.

PEDRO – NOTA 4,0

– A bola chegou pouco. Deu um lençol e no mais não foi visto no clássico.

 

ABEL BRAGA – NOTA 4,0

– Justificou a escalação de Luiz Fernando na lateral para aumentar a estatura do time, mas o volante não tem cacoete nenhum para jogar por ali. O time melhorou quando pôs os titulares Richarlison e Sornoza. Já a defesa, seja a titular ou a reserva, continua enlouquecendo a torcida nas bolas aéreas.