2Trocas de treinadores, equipe irregular e decisões fora de casa. O Fluminense de 2015 tem alguma semelhança com aquele de 2007, campeão da Copa do Brasil de forma inédita, título este inesperado, por tudo o que aconteceu naquela campanha.

A partir das oitavas de final, o Tricolor sempre decidiu sua classificação fora de casa, como ocorreu nas oitavas, quartas e semi da competição deste ano. As mudanças no comando técnico, como nesta temporada, foram constantes.

Antes de começar a Copa do Brasil, Paulo César Gusmão foi demitido. Vinícius Eutrópio comandou a equipe no primeiro jogo da primeira fase da competição, em que o Fluminense venceu a Adesg por 2 a 1, no Acre. Na partida de volta, o cargo já estava ocupado por Joel Santana, e a equipe goleou por 6 a 0. O experiente treinador não durou muito e saiu após o primeiro confronto das oitavas de final contra o Bahia: 1 a 1 no Maracanã. Renato Gaúcho assumiu e se manteve até a conquista.

Em 2015, o Flu também teve quatro treinadores. Iniciou com Cristóvão Borges, passando por Ricardo Drubscky, Enderson Moreira até chegar a Eduardo Baptista.

Naquele ano, o Fluminense sofreu para eliminar adversários teoricamente mais fracos e com a desconfiança do torcedor, que passou a comparecer somente a partir das semifinais, contra o Brasiliense. Atualmente, a desconfiança também existe já que o desempenho no Brasileiro é ruim. A diferença é que os rivais na Copa do Brasil, exceto o Paysandu, foram gigantes do futebol nacional e será assim também na decisão, caso o Flu se classifique.


Sem comentários