A pouco mais de um mês, o sócio do Fluminense escolherá seu novo presidente e o ambiente não está nada agradável. O portal Uol colheu a opinião de três dos candidatos à presidência do clube sobre a troca de farpas que acontecem através das redes sociais. Confira o que cada um destacou:

 

abadPedro Abad: “Minha campanha é propositiva, séria e responsável. Porém, alguns candidatos da oposição estão tentando atacar uma candidatura consolidada, que só cresce e mostra cada vez mais força. Sinceramente não me preocupo com isso e estou muito focado nos meus projetos para o futuro do Fluminense, que será ainda mais vitorioso”.

 

mariobMário Bittencourt: “O Fluminense desperta paixão e os ânimos acabam se exaltando, ainda mais pelas mídias sociais. Acho que todo debate em prol de um Fluminense mais forte válido, mas sem ofensas pessoais. Ataques deste tipo não acrescentarão nada para o futuro do Fluminense. Todos temos que pensar o que podemos fazer para ter um clube melhor: ter um futebol vitorioso, sempre competitivo, uma base ainda mais forte, os esportes olímpicos resgatados, uma sede valorizada, respeitando a opinião alheia”.

 

celsoCelso Barros: “A intenção desse tipo de campanha é desconstruir e destruir a imagem dos adversários. Isso sempre existiu antes mesmo da internet. Hoje, há empresas que fazem isso. Disputei muitas eleições na vida, e no Fluminense apoiei David Fischel, Horcades e Peter. Nunca usamos esse expediente, porque ele desfigura o propósito democrático e decente das disputas. Busca enganar o eleitor. Vamos buscar a vitória jogando limpo.”