Muito se falou nos últimos dias sobre o risco da viagem que levaria o Fluminense até Potosí, local do jogo desta quinta-feira. Até mesmo o jornalista Mauro Cezar, dos canais ESPN, postou em seu Twitter alegando descaso da Conmebol e comparando operação com a da Chapecoense. Por isso, o controlador de manutenção aeronáutica, Guilherme Mölter, em entrevista à Rede Mais Esportes, veio a público esclarecer o caso:

– A Conmebol não estar interferindo nessa operação de translado eu vejo como algo muito ruim. Ela recomendava a LaMia para fazer o translado no eixo da América do Sul, disputando Libertadores, Sul-Americana e tudo mais. A operação da LaMia foi um completo desastre, posso afirmar isso. Porque cair por pane seca, que é a única pane que você tem certeza que quando, como e onde vai acontecer. Eles arriscaram – analisou ele.

No entanto, o profissional afirmou que o caso do Fluminense é totalmente diferente e não vê a operação como de risco:

– Como torcedor do Fluminense, se eu visse alguma coisa que achasse errado, eu iria falar alguma coisa sobre, porque ia colocar toda a operação em risco e dentro dela está o clube que eu torço e amo. Hoje, com as circunstâncias que nós temos, não há motivos para preocupação. Não há nexo nessa comparação. Não há motivo para preocupação – garantiu.