Hudson não atua desde maio do ano passado, quando sofreu grave lesão (Foto: Lucas Merçon - FFC)

Bem perto de sair do Fluminense, Hudson, que chegou ao clube em 2020, fez um balanço de sua passagem pelo Tricolor em entrevista ao Uol. Nos últimos dias como volante da instituição, afirma ter mais coisas boas para botar na balança.

– Cara, é um balanço positivo com certeza na minha carreira. O Fluminense é um clube gigantesco, a gente não pode negar isso, tem uma história muito vitoriosa. Lembro perfeitamente quando o Odair (Hellmann, treinador), o Mário (Bittencourt, presidente) e o Paulo Angioni (diretor executivo) me ligaram em dezembro de 2019 para fazer o convite, falando que tinham um projeto de colocar o clube na Libertadores novamente, voltar a brigar contra os grandes clubes, fazer boas campanhas… – iniciou, prosseguindo:

– Eles tiveram dificuldades financeiras o tempo todo, mas sempre foram muito transparentes. Acho que foi o clube de mais transparência eu percebi, principalmente quando se tem essa dificuldade que o Fluminense teve. Não é à toa que hoje eles conseguem pagar os salários em dia, e a gente sabe que isso é muito difícil no futebol, pela situação financeira que os clubes têm.


De seus dois anos pelo Fluminense, 2020 e 2021, Hudson conseguiu atuar mais. Afinal de contas, sofreu grave lesão em meados da segunda temporada, abreviando a sua passagem no clube.

– O primeiro ano para mim, claro, foi melhor, porque joguei, cheguei a ser capitão várias vezes… Tive a honra, mesmo sendo um campeonato simbólico, de levantar o troféu da Taça Rio, naquele campeonato onde teve aquela briga toda de volta ou não volta por causa da pandemia. E em 2021 foi um ano mais difícil, por causa da lesão também. Mas, cara, sou muito feliz, acho que foi uma passagem importante na minha carreira. Aprendi muito, cresci muito e sou muito grato a tudo que o Fluminense me proporcionou – finalizou.

No total, Hudson disputou 48 jogos e fez um gol pelo Fluminense. No dia 2 de maio do ano passado, sofreu grave lesão no empate de 1 a 1 com a Portuguesa, no Luso Brasileiro, pela ida da semifinal do Campeonato Carioca, rompendo o ligamento cruzado anterior do joelho direito. Precisou passar por cirurgia e não atua desde então.