Fluminense não vai mais jogar nesta terça (Foto: Lucas Merçon - FFC)

Se por um lado o adiamento do jogo com o Cerro Porteño foi ruim por conta do planejamento, o Fluminense, que inclusive poupou titulares e perdeu no sábado para o Grêmio pelo Brasileiro, ganhou um tempo raro para treinamentos. Em cinco meses sob o comando do técnico Roger Machado, será apenas a terceira semana livre.

A primeira aconteceu logo no início da temporada, quando o grupo principal se reapresentou após as curtas férias: entre a terça-feira do dia 2 e o domingo do dia 7 de março, Roger ficou treinando o elenco profissional, enquanto Ailton Ferraz comandou um time sub-23 nas duas primeiras rodadas do Carioca. Com o título do Palmeiras na Copa do Brasil e a consequente classificação direta tricolor para a fase de grupos, o time ganhou mais dez dias de folga.

Depois disso, uma nova semana cheia só voltou a acontecer em abril. Os jogadores já tinham se reapresentado após a folga e finalizado a pré-temporada, e Roger já vinha usando a equipe titular desde o dia 26 de março, quando teve cinco dias exclusivos para treinos entre o domingo do dia 11 e o sábado do dia 17. Ao longo desses cinco meses, o técnico chegou a ter outros períodos de cinco a seis dias livres, mas intercalando duas semanas ou poupando titulares em uma partida (cenário em que não ficou só com o time principal pois comandava os reservas nos jogos).

O adiamento da partida com o Cerro ocorreu em virtude do falecimento do filho de Arce, técnico do time paraguaio, em um acidente de carro no seu país, no último domingo.