Em seu blog “Terno e Gravatinha”, João Marcelo Garcez fez uma revelação. De acordo com  o jornalista, blogueiro do NETFLU entre 2012 e 2018, o Fluminense pode ser impedido de não mandar mais seus jogos no Campeonato Brasileiro e na Copa Sul-Americana no Maracanã. O motivo? Uma dívida com o Consórcio que gere o estádio.

Antes do duelo contra o Nova Iguaçu, há uma semana, conta Garcez, a diretoria tricolor ouviu da concessionária que administra o “Maior do Mundo” que aquela seria a última partida do clube no local até que acertasse um débito.


Credor antigo, o Maracanã S.A. se cansou dos sucessivos pedidos de adiamento dos cartolas. Em novembro do ano passado, o Fluminense já havia sido cobrado por Mauro Darzé, presidente do consórcio, o montante referente ao aluguel do estádio em jogos do clube no Brasileirão. Na ocasião, o dirigente recebeu da direção do Flu a promessa de que tudo estaria resolvido até o fim do ano. O problema é que a cúpula não cumpriu a promessa, o que azedou de vez a relação entre eles.

Desta vez, porém, o martelo foi batido: se o dinheiro não for depositado até o fim do março, o Fluminense estará terminantemente proibido de atuar no Mário Filho. A medida só não foi radicalmente tomada agora porque a Ferj solicitou o uso do estádio para os jogos finais do Campeonato Estadual.

Para jogar no Maracanã, o Fluminense paga ao consórcio R$ 100 mil, valor previsto em contrato.