(Foto: Mailson Santana/FFC)

Chance quase nula de retorno. Ele não quer e o Fluminense, cheio de dívidas, também não vê com bons olhos o retorno de Jefferson Orejuela. Um dos destaques da penúltima Libertadores, o volante colecionou problemas no Brasil e deve rumar para o futebol mexicano. Toluca, Querétaro e Tijuana são as agremiações interessadas.

“Sem deixar saudades”. Assim comentam algumas das pessoas que tiveram de lidar diretamente com o jovem durante a temporada passada. Muito fechado, o atleta conduzia a vida da forma que desejava, incluindo noitadas, postagens insólitas nas redes sociais e dificuldade de manter sua palavra com aqueles que estavam ao seu redor.

Alguns desses personagens entendem que a vinda do primo e do irmão contribuiu para que o jogador perdesse o rumo. Além disso, seu empresário na ocasião, André Curi, radicado em São Paulo, tinha uma relação mais distante, uma vez que Orejuela não tinha assessoria.

Nos vestiários, a situação não era diferente: quase foi às vias de fato com um atleta do Fluminense, por conta da maneira como se comportava, sobretudo durante as preleções.

Contratado ainda em 2016, na gestão Peter Siemsen, embora só tenha vestido a camisa tricolor em 2017, o volante teve um início arrebatador. Entretanto, os problemas em campo e, principalmente, fora dele, o fizeram perder a confiança de Abel Braga, então treinador do Time de Guerreiros.

Reserva e sem moral nas arquibancadas, pediu para ser negociado com a LDU (EQU), para continuar jogando e não ser esquecido pela seleção do Equador. Seu país, porém, perdeu a vaga para a Copa do Mundo na última rodada das eliminatórias Sul-Americanas.