No dia 28 de junho, os 20 clubes da Série A e os 20 da B se reunirão presencialmente em São Paulo para discutir os próximos passos da Liga que pretendem tirar do papel para organizar o Campeonato Brasileiro. O primeiro encontro foi no Rio de Janeiro, no último dia 15.

Estarão em pauta a discussão do cronograma, quais as próximas ações efetivas e a novela sobre o futuro da presidência da CBF, vaga após o afastamento de Rogério Caboclo. Os clubes almejam ter mais influência política na CBF, alémde planejarem o Brasileirão, tanto no aspecto de calendário, quanto na organização financeira e de regulamento da competição. É considerado ideal eles que isso comece no torneio de 2022, mas tudo é tratado com calma.

Os clubes admitem a necessidade de eleger um conselho para representar os 40 nas discussões de pauta. Ainda não hpa lideranças definidas, mas as mesmas surgem naturalmente nos debates.

Por ora, a CBF monitora a ação dos clubes, mas vai oferecer resistência à tomada de poder. A entidade reconhece a fragilidade causada na crise política, mas aposta nas federações para continuar controlando o futebol no Brasil.