O Fluminense se prepara para uma semana política que promete ser decisiva. No próximo dia 26, no sábado, os sócios do clube votarão pela antecipação, ou não, das eleições presidenciais no Tricolor em Assembleia Geral marcada na sede das Laranjeiras. Diante disso, a oposição já começa a se organizar para definir suas chapas, caso o pleito realmente ocorra nesse início de 2019.

Com a saída de Pedro Abad, Mário Bittencourt e Pedro Antônio despontam como favoritos para assumir o posto de mandatário do clube. O primeiro, aliado com Celso Barros e Ricardo Tenório, é visto como o “real opositor”, já que é um dos maiores críticos da atual gestão e conta com um apoio massivo nas redes sociais. Vale destacar, porém, que Bittencourt ainda não foi confirmado como o candidato do triunvirato.

Já Pedro Antônio, popular entre os torcedores por ter sido o principal investidor do Centro de Treinamento do Fluminense, ainda carrega uma ponta de rejeição por conta de sua ligação com a gestão atual e a Flusócio, grupo político que comanda o Tricolor. Seu nome é visto como ideal para competir com o trio anteriormente mencionado por seu status de “mecenas”, ainda mais em plena crise que o clube atravessa.