(Foto: Mailson Santana - FFC)

Recém-chegado ao Fluminense, Nonato rapidamente ganhou espaço na equipe. Antes destaque no Internacional, foi menos aproveitado com o técnico atual Diego Aguirre. Logo, quando surgiu a oportunidade de uma mudança de ares, afirma ter aceitado de pronto.

– Em 2019 eu tive uma sequência maior de jogos. Infelizmente em 2020 a pandemia atrapalhou um pouco, o time inteiro teve aquela perda de timing, muita pausa, aí acabei não tendo muita sequência. Voltei a ter nesse ano de 2021 com o Miguel (Ángel Ramírez), tive bastante minutagem tanto no Brasileiro quanto na Libertadores e no Campeonato Gaúcho. Quando ele saiu, acabei perdendo um pouco de espaço. Chegou o (Diego) Aguirre e ele teve as opções dele. É um cara íntegro, mas acabei não jogando e achei melhor que outros ares seriam necessários naquele momento – disse, complementando:

– E apareceu essa oportunidade do Fluminense. Eu já vinha acompanhando o time no decorrer do ano, todo mundo já vinha falando, na época estava nas três competições e era um futebol legal de ver jogar. Eu pelo menos achava um time com qualidade, e isso pesou muito para eu vir para cá. É um time de tradição, você falar que jogou na carreira no Fluminense não é todo mundo que consegue. Isso pesou muito: a camisa, o ano que vinha fazendo… Então não foi uma escolha difícil de fazer, não (risos).

Nonato está emprestado ao Fluminense até o fim do ano que vem pelo Internacional com opção de compra prevista em contrato.