(Foto: Divulgação/FFC)

O presidente Mário Bittencourt divulgou na última sexta-feira que o Fluminense já trabalha em um projeto de reforma da sua sede em Laranjeiras, o que inclui o estádio. A ideia do Tricolor é que a sua equipe profissional possa mandar jogos no local já em 2022, como prometido pelo mandatário.

O portal GE reuniu os planos do clube verde, branco e grená para seu estádio histórico, palco do primeiro jogo da seleção brasileira. A reforma será patrocinada com ajuda de uma empresa de telefonia e a capacidade do estádio será reduzida. Confira os planos divulgados pelo portal:

Obra patrocinada

Segundo o portal GE, a ideia é inicialmente utilizar recursos da parceria com a Tim para executar a futura reforma. A empresa de telefonia, que já é parceira do clube e investe cerca de R$ 5 milhões nos esportes olímpicos atualmente, passaria a destinar o dinheiro à restauração de patrimônios.

Capacidade reduzida

O laudo da engenharia também definirá a quantidade máxima de público que o local poderá receber sem que ofereça riscos à estrutura. Nos bastidores, já imagina-se um estádio com capacidade para cerca de sete mil pessoas, informação que foi divulgada pelo NETFLU na última sexta-feira.

Seria a menor capacidade do palco, que foi construído em 1919 para 18 mil pessoas; em 1922 passou para 25 mil; e em 1986 foi reaberto para até oito mil torcedores.

Com sete mil lugares, as Laranjeiras não poderão receber jogos da Série A do Campeonato Brasileiro, uma vez que a CBF exige em seu regulamento que os estádios possam ter 12 mil torcedores sentados ao mesmo tempo. Por outro lado, a sede tricolor poderia ser usada para jogos contra times de menor expressão do Carioca e nas duas primeiras fases da Copa do Brasil, onde não há uma capacidade mínima específica.

Jogos em 2022

A expectativa é concluir as obras entre o meio e o final do ano que vem para voltar a receber jogos do profissional nas Laranjeiras a partir da reta final da temporada de 2022. A ideia é que sejam apenas algumas partidas em que já são esperados públicos menores. Isso porque, como previsto em contrato com o Consórcio Maracanã, o Fluminense tem que mandar, no mínimo, 30 jogos por temporada no estádio que administra junto com o Flamengo.

Mesmo com a reforma na sede, a prioridade do clube não deixará de ser o Maracanã. O “novo estádio” das Laranjeiras continuaria sendo a casa das categorias de base e do time feminino, mas também entraria no circuito da cidade para receber shows e eventos após a revitalização.

Rusgas com Grupo “Laranjeiras XXI”

Em 2017, o grupo denominado “Laranjeiras XXI”, que ressalta ser apolítico, tomou a iniciativa de elaborar um projeto de revitalização do estádio, com uma proposta para receber 15 mil pessoas. O projeto foi oferecido na gestão de Pedro Abad, que alegou falta de condições financeiras para assumir a reforma.

Na atual direção, o presidente Mário Bittencourt chegou a manter conversas com o “Laranjeiras XXI” no início do mandato. Porém, o modelo projetado para as obras não seguiu a linha das sugestões do grupo, que não esconde um descontentamento.