Dodi fez 74 jogos e dois gols pelo Fluminense (Foto: Lucas Merçon - FFC)

Sem mais conversas. Flu não chegou num acordo e foi surpreendido, nesta semana, pelo empresário Carlos Escuro, ao saber que o volante Dodi estava negociado com o clube do exterior. Neste momento, segundo o portal GE, houve um instante de silêncio na sala, até que Angioni tomou a palavra e desabafou ao reclamar de falta de honestidade dos empresários.

O diretor os acusou de usarem o Fluminense para fazer leilão no mercado, alegando que possui prints e áudios de “WhatsApp” como provas, e de prejudicarem o clube esticando a corda até o penúltimo dia de inscrições no Campeonato Brasileiro, deixando menos de 48 horas para buscar um reforço para a posição.

Escuro, que vinha dizendo em entrevistas que não estava falando com nenhum outro clube e que a prioridade era do Fluminense, voltou a negar o leilão e rebateu Angioni. Mário então subiu o tom e avisou que ele não fará mais nenhum negócio no clube em sua gestão. Houve discussão, e o empresário em seguida deixou o local e foi embora. Tadeu Cruz ainda ficou na sala e viu uma das supostas provas que a diretoria alegou ter de Escuro oferecendo Dodi no mercado.


Com a decisão de afastar o jogador do elenco principal, o Fluminense mudou a postura que vinha tendo durante as negociações. Antes, a diretoria defendia que não poderia prejudicar o time tirando um titular que estava mantendo a performance e demonstrava querer continuar no clube. Agora, há internamente um consenso de que, com a negociação encerrada, o volante pode não se dedicar mais 100% e evitar divididas para não ter riscos de lesão às vésperas de ficar livre no mercado.