Marcelo Souto falou sobre seu projeto para o futebol (Foto: Divulgação)

Um dos candidatos à eleição presidencial do Fluminense, que acontecerá no próximo sábado, Marcelo Souto falou, em entrevista ao ge, sobre o que pensa para o futebol do clube. Assunto que está muito em pauta atualmente, a Sociedade Anônima do Futebol (SAF) não é vista pelo presidenciável como a única solução. Ele entende que o esporte tem de ser tratado com profissionalismo.

– Pode ser (SAF), não necessariamente. Costumo falar que a SAF ela é um meio, não é o único meio. Mas o que eu prego para o Fluminense com relação à parte profissional é um jeito novo de se entender e de se fazer futebol. A prioridade número um é ser campeão. Então a gente tem algumas metas predefinidas para o departamento de futebol como metas. Só que a principal delas é melhorar a forma como é feito o uso do dinheiro do clube. Tanto a política de contratações quanto na mentalidade dessa um pouco esquecida questão de ser tantas vezes campeão. A minha régua é um pouco maior de comparar essa atual gestão com as gestões anteriores – disse, prosseguindo:


– Temos que voltar a figurar na primeira prateleira do futebol brasileiro, daqueles que chegam em finais e que conquistam finais, e não aquela prateleira só de que disputa torneio. Eu acredito muito no uso de ciência de dados, tecnologia, nos processos dos profissionais de análise de desempenho, na figura do analista de mercado… Tudo isso sobre a metodologia do meu bebê, que eu costumo falar que é a “Cia do Flu”: Centro de Inteligência e Aperfeiçoamento do futebol do Fluminense. A gente tem alguns contatos, já pensa um pouco inclusive em possíveis gestores daquilo que pensamos, de usar muito a base, e procurando possíveis jogadores para preencher lacunas específicas.

Concorrerão para presidir o Fluminense no próximo triênio (2023-24-25), além de Marcelo Souto, Mário Bittencourt, atual presidente, e Rafael Rolim, também opositor.

Marcelo Souto será entrevistado ao vivo pelo NETFLU nesta quarta-feira, às 21h.