Foto: Divulgação

Segundo o portal GE, a Polícia Civil e o Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro abriram inquéritos para apurar a movimentação de apostas na vitória de 4 a 2 do Madureira sobre o Macaé, pela 10ª rodada da Taça Guanabara. As informações contidas no relatório de uma empresa especializada contratada pela Ferj serviram como base para o início das investigações.

Presidente do TJD-RJ, Renata Mansur foi quem determinou a abertura do inquérito no tribunal. Um auditor do Pleno será sorteado nos próximos dias para se encarregar do caso. Por sua vez, a Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) confirmou ao ge, por meio de assessoria, que “as investigações correm sob sigilo”.

O relatório de cerca de 20 páginas – que narra lances do jogo e cita jogadores envolvidos – produzido pela Sportradar indica movimentação suspeita no volume de apostas de acordo com os lances do jogo. A empresa de dados foi contratada da Ferj para acompanhar oscilações anormais no mercado de apostas envolvendo o Carioca.

O documento entregue às autoridades cita possibilidade de conhecimento prévio dos apostadores em eventos da partida – por exemplo, houve volume fora do padrão de apostas sobre derrota por ao menos dois gols do Macaé na primeira etapa (terminou 2 a 0 o primeiro tempo), depois que o Madureira abriu o placar aos 7 minutos. O segundo gol saiu nos acréscimos.

Outro caso em análise no relatório diz respeito ao número de gols do jogo. Os apostadores marcaram – em volume também acima do habitual, de acordo com o relatório da Sportradar – que haveria ao menos quatro gols no placar final – o Macaé empatou a partida com gols no primeiro e terceiro minuto do segundo tempo e o Madureira completou o placar de 4 a 2 com gols aos 15 e aos 27 da etapa final.