Foto: Nelson Perez/Fluminense F.C
Foto: Nelson Perez/Fluminense F.C

O meio do futebol é diferente. Quantas vezes você já ouviu essa frase? No ramo há décadas, Ricardo Drubscky sabe que determinadas ações acabam sendo julgadas de forma precipitada. Treinador, dedica seu tempo à literatura e, por isso, sofre preconceito.

– Existem elogios, discriminação, inveja… Vejo isso. Gente que desdenha. Alguns colegas me dizem: “Poxa, a gente sofre para aprender e você fica querendo ensinar?”. O livro é minha cara aberta, o que escrevi é a pura verdade daquilo que penso. Sou coordenador de cursos da CBF há cinco anos e não escondo uma vírgula. Técnico de alto nível e que tem essa literatura é muito difícil de encontrar. Não tenho vaidade sobre isso. O que encanta é estar na beira do campo, dar os meus treinos. A literatura é um complemento – disse Drubscky, que não usa seus livros para doutrinar os atletas:

– Nunca apresentei, nunca fiz propaganda. Só faço nos cursos que ministro aulas, porque o conteúdo já redigido facilita para os alunos. Mas nunca ofereci a jogador. Alguns dizem que gostariam de ter meu livro. Outros devem ficar pensando se sou treinador ou professor, mas quando coloco a apito no peito e comando meus treinos, eles nem têm tempo para pensar. Os treinamentos são muito dinâmicos, muito interessantes. É uma situação que tenho que lidar. Alguns treinadores gostam de pagode, outros de música clássica. Alguns tocam violão, outros de tomar cerveja, de roda de samba. Eu gosto de escrever.


Sem comentários