(Foto: Site Oficial do Fluminense)

Já era madrugada de quarta para quinta-feira quando Márcio Luiz, de 42 anos, esbanjava simpatia ao vender balas no drive-thru de uma rede de fast-food na Barra da Tijuca. O sorriso estampado no rosto retratava a felicidade de alguém que acabara de celebrar a vitória do seu time, o Fluminense, sobre o Internacional. Mas se o dia já era bom, ele tornou-se inesquecível quando o destino tratou de colocar João Lopes em seu caminho. Ao reconhecer o goleiro tricolor, que voltava do Maracanã, o ambulante contou sua história. Também goleiro, mas em times de pelada, Márcio é morador da Cidade de Deus, onde trabalha em um projeto social, e sua paixão pelo Tricolor começou em 2000, quando Zetti chegou ao clube.

Mas sua ligação com o futebol não se restringe apenas aos campos de pelada, onde atua a convite de amigos em troca de R$ 60. Na comunidade onde vive, Márcio é voluntário do projeto beneficente Canelinhas. Lá, ajuda diversos jovens sonhadores que buscam um dia terem a oportunidade que ele não teve, a de ser jogador de futebol. Comovido com a história, João Lopes não titubeou e perguntou ao vendedor: “Você é goleiro mesmo? Então tá bom”. Saiu do carro, abriu o porta-malas e presenteou Márcio com um par de luvas, que horas antes estavam no gramado do Maracanã.

A emoção tomou conta de Márcio, que, ainda que não parecesse possível, conseguiu alargar ainda mais o sorriso que ostentava.


– Fiquei muito feliz mesmo. Foi especial conhecer o João, muito legal e muito humilde, que me deu muita atenção. Ele me deu um presente que vou guardar com muito carinho. E vou usar também. Foi um dia muito especial na minha vida, que ficará marcado em minha memória para sempre – contou.

O vendedor fez questão de registrar o momento e pediu a João que gravasse um vídeo para encorajar os jovens do projeto beneficente onde dedica seu tempo e amor. No Canelinhas desde 2017, Márcio atua como preparador de goleiros e técnico da categoria Sub-15.