Atrasos sequentes, insatisfação de funcionários e rodízio. A relação entre o Fluminense e a Sanatto degringolou desde o ano passado com os constantes atrasos no repasse de dinheiro para a empresa. Responsável pela limpeza e manutenção do clube, a Sanatto, que é braço da Frescatto, ex-patrocinadora do Time de Guerreiros, entrou em acordo com a cúpula tricolor e assinou a rescisão.

– O clube formalizou o distrato com a Sanatto e já conta com os novos funcionários para as mesmas funções – explicou a assessoria de imprensa do Fluminense após contato do NETFLU.

O site número um da torcida tricolor apurou que, além de contratar alguns funcionários para repor o hiato com a saída da Sanatto, o Fluminense também remanejou pessoas de seu próprio quadro.

Principais afetados pelos atrasos, os funcionários de baixa renda cogitaram fazer uma paralisação total dos serviços nas Laranjeiras em diversas situações. A ideia tinha voltado à tona através de um grupo que vinha se reunindo para abordar o tema.

O portal NETFLU antecipou no dia 19 de março deste ano que a empresa cogitava encerrar o vínculo antes do término contrato.