O Fluminense corre contra o tempo para evitar perder atletas, numa rescisão unilateral de contrato, devido a atrasos salariais. Apesar disto, o clube não estipulou um prazo para resolver a situação com os jogadores que ainda não receberam vencimentos referentes a janeiro, fevereiro, 13º e alguns meses de direito de imagem. A Assessoria institucional do Tricolor confirmou as informações publicadas pelo NETFLU no que se referem aos débitos, sem dar detalhes acerca de uma resolução.

– Sobre salários atrasados, o clube está trabalhando incessantemente para conseguir quitar o mais rapidamente possível – respondeu o clube.

É importante ressaltar que os atletas que chegaram nesta temporada, por questões óbvias, não têm direito ao 13º, limitando o problema para apenas parte do elenco, como o caso meia-atacante Marquinhos Calazans. O jogador, por sinal, é pretendido pelo São Paulo, mas seu staff disse que não pretende entrar na Justiça para forçar uma liberação.

No mês passado, os jogadores do Fluminense chegaram a ficar um dia sem treinar. O protesto foi comunicado pelo diretor de futebol do clube, Paulo Angioni, que procurou legitimar o ato dos atletas. Naquela ocasião, o Fluminense devia o pagamento do 13º e o salário de janeiro, além de duas premiações (uma referente à temporada passada e outra à classificação para a segunda fase da Copa do Brasil deste ano) e quatro meses de direitos de imagens.