Criciúma saiu na frente do Fluminense, mas dirigentes ainda reclamam da arbitragem (Foto: Mailson Santana - FFC)

O Criciúma venceu o jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil contra o Fluminense por 2 a 1, terça-feira, no Heriberto Hulse. Mesmo assim, seus dirigentes prometem acionar a CBF em virtude do pênalti marcado pelo árbitro potiguar Caio Max Ribeiro que terminou no gol tricolor de Abel Hernández. Anselmo Freitas, presidente do clube catarinense, usou palavras fortes.

— Foi uma noite muito boa, pois saímos vitoriosos. Mas a história poderia ser diferente, pois tínhamos árbitro de vídeo e ele não foi efetivo. Poderíamos ir para o Rio de Janeiro com a vantagem por 2 a 0 e foi marcado um pênalti pelo juiz que foi afoito. Acionaremos nosso departamento jurídico para fazer uma manifestação junto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Fomos roubados realmente. Vamos ao Rio de Janeiro nesta quinta-feira e vamos ter uma reunião junto à entidade. Preciso deixar registrado o momento de indignação com esses erros. O árbitro foi muito mal intencionado – disse à Rádio Eldorado.

Em entrevista coletiva depois da partida, o diretor-executivo do Criciúma, Juliano Camargo, também falou em levar reclamações à CBF.

— Em relação ao erro da arbitragem, vamos entrar com uma representação pela Federação Catarinense de Futebol (FCF) para chegar à CBF. É inadmissível. O VAR veio para isso e acabamos sendo reféns. A reclamação não podemos deixar passar e estamos indignados. O resultado justo seria 2 a 0 e a interferência da arbitragem nos prejudicou – disse.