Foto: Paulo Brito/NETFLU

Desde o final do ano passado, uma dúvida segue na cabeça dos tricolores: as eleições serão mesmo antecipadas? Após a realização de uma Assembleia Geral Estatutária, a ideia do presidente do Fluminense, Pedro Abad, ganhou corpo, mas, na prática, em função de questões burocráticas, segundo a cúpula tricolor, o que inicialmente estava programado para março, avançou para abril, maio e, enfim, ocorrerá em 8 de junho. Entretanto, o edital, que deveria ter sido lançado na última segunda-feira, não foi liberado por falta de informações necessárias.

Com o objetivo de nortear os prazos de campanha e registro de chapas, o edital não continha justamente as principais informações. O NETFLU apurou que o deadline de inscrição das chapas não estava no edital, o que feriria o estatuto, caso o mesmo fosse lançado. Após corrigida as falhas, o documento deve ser entre esta quarta e quinta. O presidente do Conselho Deliberativo, Fernando César Leite, confirmou que faltavam informações relevantes no edital:


– É importante saber saber quem é sócio, quem não é, quem é benemérito e não pode estar na chapa, nomes duplicados, tudo isso. A boneca que tinha o edital não continha informações completas, nem prazo de inscrições das chapas – disse ao site número um da torcida tricolor.

A chapas, aliás, deverão ser inscritas até uma semana antes das eleições. Enquanto isso, os bastidores das Laranjeiras segue agitado e ainda existe uma indefinição sobre os nomes para a sucessão de Abad. A tendência é que Mário Bittencourt e Celso Barros formem uma chapa, com o ex-advogado do clube sendo o candidato à presidência. Já Ricardo Tenório, que deixou o triunvirato, segue em busca de apoio. Por enquanto, Ayrton Xerez é o único que se lançou pré-candidato pelo grupo Honra, Glória e Tradição.