Rio de Janeiro, mês de dezembro, verão. Com temperaturas beirando os 40 graus nessa época do ano, os sócios do Fluminense, um dos maiores clubes do Brasil, não podem utilizar suas piscinas. Motivo: a vigilância sanitária entendeu que o espaço deveria ser fechado para reformar.

O NETFLU entrou em contato com o Fluminense para ter um posicionamento institucional, já que o clube havia informado ao site, no mês passado, que vinha fazendo reparos. Confira:

“O Fluminense FC vem tomando providências na manutenção do seu Parque Aquático desde o mês de novembro. A piscina de aprendizado já havia sido interditada pelo clube para este fim e a olímpica iniciou a manutenção sem a necessidade de interdição completa, pois as raias foram fechadas de forma intercalada. Após visita técnica da Vigilância Sanitária no início do mês, a piscina olímpica seguiu liberada para uso. Na manhã desta sexta-feira (21/12), entretanto, o órgão decidiu de forma contrária ao parecer anterior. O Fluminense segue trabalhando para resolver o problema e busca um entendimento junto ao órgão competente.”

No último mês, o site número um da torcida tricolor divulgou uma matéria alertando sobre os diversos problemas do Parque Aquático das Laranjeiras, onde muitos atletas e sócios se feriram. Um norte-americano, atleta de master da natação do Tricolor, levou mais de dez pontos no dedão de um dos pés, por exemplo.

Vale lembrar que o principal espaço de gastronomia e bebida do Fluminense, o “Bar dos Guerreiros”, foi fechado em março deste ano, também pela vigilância sanitária. Desde então, nada mais funcionou no local, que está disponível para quem quiser alugar.